Um momento com o tempo

5.8.15 Esteffany Marques 0 Comentários


Não entendo, qual a dificuldade de compreender que só necessito de um tempo comigo mesma. Não tem nada haver com outra pessoa ou algum sentimento que acabou. O tempo tem sido meu amigo distante, e apenas ele poderia resolver o dilema. O que quero para mim amanhã?

Parece ser difícil para os olhares alheios entenderem a minha situação. Por que terminar com ele? Cara perfeito, que te ama, te respeita e que se jogaria na frente de uma bala, sem pensar duas vezes por você.


Essa pergunta foi a mais difícil desde a de matemática do ensino fundamental, a onde estava chorando na sala da professora, sem saber por onde começar uma prova de dificuldade número dois. Mas de tanto pensar, cheguei a uma conclusão única e suave. Quero poder, ter o direito de me jogar na cama em uma noite sábado e comer todos os brigadeiros de panelas que eu quiser, sem ao mesmo, me preocupar com as espinhas do dia seguinte, ou as gordurinhas a mais que iriam aparecer daqui uma semana.


A sensação de liberdade parece me deixar eufórica e explosiva. Parece que vou explodir como um vulcão, que está cansado de se calar e ficar dormindo. Não consigo para de planejar o meu futuro sem ele, parece que essa sensação que tanto desejo tem me libertado para ver a verdadeira realidade do universo em volta de mim. Não existem príncipes e muito menos castelos. Amor verdadeiro? Algo parecido vê com minha avó, mas não chega nem perto dos contos de princesas. Cinderela, branca de neve.

Acredito que os amores podem ser muitos, vários. Nunca vão faltar. Mas a liberdade e o momento que você precisa dela é único. Quando estou à frente do espelho vejo uma guerreira, que apesar de te amar, precisa pensar se vale a pena estar com alguém tão perfeito, que apesar disso não me completa por inteira. Posso achar alguém que não está a sua altura, mas com certeza se sentaria comigo e comeria toda a panela brigadeiro sei repressões. Seriamos homogênios como o próprio brigadeiro que comemos. 


Você pode gostar também!

0 comentários: